Viagem

O ENCERRAMENTO DA NOSSA CARAVANA

 
A imagem pode conter: 1 pessoa, em pé e comida
 
Na noite deste domingo (22), chegou ao fim nossa jornada pela Terra Santa. Depois de sete dias de experiências inesquecíveis e incomparáveis, celebramos um culto em frente às muralhas de Jerusalém, com os corações gratos e cheios de alegrias.
 
Eu gostaria de compartilhar com vocês um pouquinho do que nós vivemos no encerramento de mais uma Caravana Apostólica.
 
Veja, a seguir, o vídeo que nós transmitimos para todas as igrejas:
 
Publicação 22/10/2017, Por Bispa Fê
Viagem

EBENÉZER! ATÉ AQUI NOS AJUDOU O SENHOR!

 
A imagem pode conter: 6 pessoas, pessoas sorrindo, multidão e atividades ao ar livre
 
A manhã deste domingo (22) foi profética para a Igreja Renascer em Cristo. No Ano de Samuel, os participantes da Caravana Apostólica realizaram um culto em Mispa, local onde foi consagrado um altar chamado Ebenézer, após o povo de Israel ter vivido um grande livramento, enquanto o profeta Samuel oferecia um holocausto ao Senhor, conforme descreve a passagem bíblica abaixo:
 
1 Samuel 7.1 a 13: Então, vieram os homens de Quiriate-Jearim e levaram a arca do SENHOR à casa de Abinadabe, no outeiro; e consagraram Eleazar, seu filho, para que guardasse a arca do SENHOR. Sucedeu que, desde aquele dia, a arca ficou em Quiriate-Jearim, e tantos dias se passaram, que chegaram a vinte anos; e toda a casa de Israel dirigia lamentações ao SENHOR.
 
Falou Samuel a toda a casa de Israel, dizendo: Se é de todo o vosso coração que voltais ao SENHOR, tirai dentre vós os deuses estranhos e os astarotes, e preparai o coração ao SENHOR, e servi a ele só, e ele vos livrará das mãos dos filisteus. Então, os filhos de Israel tiraram dentre si os baalins e os astarotes e serviram só ao SENHOR.
 
Disse mais Samuel: Congregai todo o Israel em Mispa, e orarei por vós ao SENHOR. Congregaram-se em Mispa, tiraram água e a derramaram perante o SENHOR; jejuaram aquele dia e ali disseram: Pecamos contra o SENHOR. E Samuel julgou os filhos de Israel em Mispa. Quando, pois, os filisteus ouviram que os filhos de Israel estavam congregados em Mispa, subiram os príncipes dos filisteus contra Israel; o que ouvindo os filhos de Israel, tiveram medo dos filisteus.
 
Então, disseram os filhos de Israel a Samuel: Não cesses de clamar ao SENHOR, nosso Deus, por nós, para que nos livre da mão dos filisteus. Tomou, pois, Samuel um cordeiro que ainda mamava e o sacrificou em holocausto ao SENHOR; clamou Samuel ao SENHOR por Israel, e o SENHOR lhe respondeu. Enquanto Samuel oferecia o holocausto, os filisteus chegaram à peleja contra Israel; mas trovejou o SENHOR aquele dia com grande estampido sobre os filisteus e os aterrou de tal modo, que foram derrotados diante dos filhos de Israel.
 
Saindo de Mispa os homens de Israel, perseguiram os filisteus e os derrotaram até abaixo de Bete-Car. Tomou, então, Samuel uma pedra, e a pôs entre Mispa e Sem, e lhe chamou Ebenézer, e disse: Até aqui nos ajudou o SENHOR. Assim, os filisteus foram abatidos e nunca mais vieram ao território de Israel, porquanto foi a mão do SENHOR contra eles todos os dias de Samuel.”
 
A imagem pode conter: uma ou mais pessoas, multidão e atividades ao ar livre
 
“O povo de Israel viveu uma crise de 20 anos. Foram 20 anos de derrotas, opróbrio, perdas e lamentações. Estava ali a marca daqueles que haviam abandonado o Senhor: a marca da derrota”, declarou Apóstolo Estevam Hernandes, durante o culto transmitido ao vivo para todas as sedes da Renascer.
 
“O Senhor havia sido colocado em um plano distante, ou seja, não representava nada para eles. Eles passaram a servir entidades malignas. Mas Deus havia levantado Samuel, um homem cheio do espírito de Deus, que mostrou o caminho para a vitória: ‘Abandone os ídolos e sirva apenas ao Senhor!’”, afirmou.
 
“Enquanto Samuel e o povo oravam, os filisteus se levantaram contra eles. Mas o Senhor trovejou, interferiu naquela batalha e deu ao Seu povo um poderoso livramento”, acrescentou.
 
Acompanhe, no vídeo abaixo, o culto na íntegra:
 
 
Publicação 22/10/2017, Por Assessoria de Imprensa
Viagem

UM MEMORIAL ATÉ A VOLTA DE CRISTO!

 
A imagem pode conter: uma ou mais pessoas
 
Na manhã deste domingo (22), os participantes da Caravana Apostólica se reuniram no local onde Obede-Edom abrigou e protegeu a Arca da Aliança durante três meses.
 
Ali, houve a celebração de dois casamentos, a consagração dos pedidos de oração que foram trazidos do Brasil e a tão esperada inauguração do altar edificado pela Igreja Renascer.
 
Durante o oculto, o Apóstolo Estevam Hernandes explicou que o memorial consiste em uma pedra de mais 600 kg que fora trazida de Betel, onde Jacó viu a glória de Deus, conforme está escrito na passagem bíblica de Gênesis 28.10 a 19.
 
A imagem pode conter: 1 pessoa, atividades ao ar livre
 
“Hoje, encerramos nossa caravana com a realização de um grande sonho. Em 2016, nós recebemos a escritura da nossa terra em Israel. É um que local pertence à Igreja Renascer em Cristo. Hoje, nós inauguramos este altar que permanecerá até a volta de Jesus. É um local de adoração ao Rei dos reis e Senhor dos senhores”, afirmou ele.
 
Acompanhe, no vídeo abaixo, as imagens deste momento histórico:
 
 
A história de Obede-Edom
 
A Arca da Aliança é um dos símbolos proféticos mais sagrados da Bíblia, pois representava a presença de Deus. Nela, havia alguns elementos sagrados, como o bordão de Arão, que floresceu e frutificou, uma urna de ouro com maná e as tábuas dos Dez Mandamentos.
 
No período do reinado do rei Davi, depois de ter ficado sob o domínio dos filisteus, ela foi levada novamente para Jerusalém. No caminho, os bois que puxavam o carro que a carregava tropeçaram, deixando-a cair. Uzá, um dos servos de Davi, estendeu suas mãos para segurá-la e acabou falecendo.
 
Para preservar a Arca, Davi, então, decidiu não levá-la mais. Obede-Edom – um filisteu que, diferente dos outros, era temente a Deus – abriu as portas de sua casa e a brigou durante três meses.
 
Neste período, o Senhor o prosperou e o abençoou grandemente, conforme descreve o texto bíblico de 2 Samuel 6.1 a 11, que diz: Tornou Davi a ajuntar todos os escolhidos de Israel, em número de trinta mil. Dispôs-se e, com todo o povo que tinha consigo, partiu para Baalá de Judá, para levarem de lá para cima a arca de Deus, sobre a qual se invoca o Nome, o nome do SENHOR dos Exércitos, que se assenta acima dos querubins. Puseram a arca de Deus num carro novo e a levaram da casa de Abinadabe, que estava no outeiro; e Uzá e Aiô, filhos de Abinadabe, guiavam o carro novo.
 
Levaram-no com a arca de Deus, da casa de Abinadabe, que estava no outeiro; e Aiô ia adiante da arca. Davi e toda a casa de Israel alegravam-se perante o SENHOR, com toda sorte de instrumentos de pau de faia, com harpas, com saltérios, com tamboris, com pandeiros e com címbalos. Quando chegaram à eira de Nacom, estendeu Uzá a mão à arca de Deus e a segurou, porque os bois tropeçaram. Então, a ira do SENHOR se acendeu contra Uzá, e Deus o feriu ali por esta irreverência; e morreu ali junto à arca de Deus.
 
Desgostou-se Davi, porque o SENHOR irrompera contra Uzá; e chamou aquele lugar Perez-Uzá, até ao dia de hoje. Temeu Davi ao SENHOR, naquele dia, e disse: Como virá a mim a arca do SENHOR? Não quis Davi retirar para junto de si a arca do SENHOR, para a Cidade de Davi; mas a fez levar à casa de Obede-Edom, o geteu. Ficou a arca do SENHOR em casa de Obede-Edom, o geteu, três meses; e o SENHOR o abençoou e a toda a sua casa.”.
 
A imagem pode conter: uma ou mais pessoas e multidão
Publicação 22/10/2017, Por Assessoria de Imprensa
Viagem

MURO DAS LAMENTAÇÕES

 
A imagem pode conter: uma ou mais pessoas, atividades ao ar livre e close-up
 
O Muro das Lamentações é um dos locais mais sagrados para os judeus. É o último vestígio do segundo templo judaico, que fora edificado após a destruição do anterior – construído pelo rei Salomão.
 
Ele foi reformado por Herodes, o Grande, no ano de 20 a.C. O objetivo era conquistar a simpatia de César. Em 70 d.C., o local foi demolido por Tito, em uma demonstração de força do Império Romano para conter a Grande Revolta Judaica.
 
Fiéis do mundo todo vão ao Muro das Lamentações para orar e deixar seus pedidos. O local é conhecido pelos judeus como o Monte do Templo.
 
Ali, nesta sexta-feira (20), nós levantamos um grande clamor pelo país.
 
Acompanhe, a seguir, as imagens desta emocionante visita: 
 
Publicação 21/10/2017, Por Bispa Fê