Siga-me

Navegue por categoria

Últimos posts

A COLHEITA DE RUTE

No post anterior, nós abordamos o momento em que Rute declara para Boaz: “Você é o meu resgatador!”.

Hoje, nós vamos analisar os comportamentos de Boaz diante deste reconhecimento.

Para começar, eu quero deixar aqui os versículos que exemplificam as duas leis que nortearam as atitudes dele:

Lei do Resgatador:

Levítico 25.25 a 49: “Se teu irmão empobrecer e vender alguma parte das suas possessões, então, virá o seu resgatador, seu parente, e resgatará o que seu irmão vendeu. Se alguém não tiver resgatador, porém vier a tornar-se próspero e achar o bastante com que a remir, então, contará os anos desde a sua venda, e o que ficar restituirá ao homem a quem vendeu, e tornará à sua possessão. Mas, se as suas posses não lhe permitirem reavê-la, então, a que for vendida ficará na mão do comprador até ao Ano do Jubileu; porém, no Ano do Jubileu, sairá do poder deste, e aquele tornará à sua possessão.

Quando alguém vender uma casa de moradia em cidade murada, poderá resgatá-la dentro de um ano a contar de sua venda; durante um ano, será lícito o seu resgate. Se, passando-se-lhe um ano, não for resgatada, então, a casa que estiver na cidade que tem muro ficará em perpetuidade ao que a comprou, pelas suas gerações; não sairá do poder dele no Jubileu. Mas as casas das aldeias que não têm muro em roda serão estimadas como os campos da terra; para elas haverá resgate, e sairão do poder do comprador no Jubileu.  Mas, com respeito às cidades dos levitas, às casas das cidades da sua possessão, terão direito perpétuo de resgate os levitas.

Se o levita não resgatar a casa que vendeu, então, a casa comprada na cidade da sua possessão sairá do poder do comprador, no Jubileu; porque as casas das cidades dos levitas são a sua possessão no meio dos filhos de Israel. Mas o campo no arrabalde das suas cidades não se venderá, porque lhes é possessão perpétua. Se teu irmão empobrecer, e as suas forças decaírem, então, sustentá-lo-ás. Como estrangeiro e peregrino ele viverá contigo. Não receberás dele juros nem ganho; teme, porém, ao teu Deus, para que teu irmão viva contigo. Não lhe darás teu dinheiro com juros, nem lhe darás o teu mantimento por causa de lucro.

Eu sou o SENHOR, vosso Deus, que vos tirei da terra do Egito, para vos dar a terra de Canaã e para ser o vosso Deus. Também se teu irmão empobrecer, estando ele contigo, e vender-se a ti, não o farás servir como escravo. Como jornaleiro e peregrino estará contigo; até ao Ano do Jubileu te servirá; então, sairá de tua casa, ele e seus filhos com ele, e tornará à sua família e à possessão de seus pais. Porque são meus servos, que tirei da terra do Egito; não serão vendidos como escravos. Não te assenhorearás dele com tirania; teme, porém, ao teu Deus.

Quanto aos escravos ou escravas que tiverdes, virão das nações ao vosso derredor; delas comprareis escravos e escravas. Também os comprareis dos filhos dos forasteiros que peregrinam entre vós, deles e das suas famílias que estiverem convosco, que nasceram na vossa terra; e vos serão por possessão. Deixá-los-eis por herança para vossos filhos depois de vós, para os haverem como possessão; perpetuamente os fareis servir, mas sobre vossos irmãos, os filhos de Israel, não vos assenhoreareis com tirania, um sobre os outros.

Quando o estrangeiro ou peregrino que está contigo se tornar rico, e teu irmão junto dele empobrecer e vender-se ao estrangeiro, ou peregrino que está contigo, ou a alguém da família do estrangeiro,  depois de haver-se vendido, haverá ainda resgate para ele; um de seus irmãos poderá resgatá-lo: seu tio ou primo o resgatará; ou um dos seus, parente da sua família, o resgatará; ou, se lograr meios, se resgatará a si mesmo.”

Lei do Levirato:

Deuteronômio 25. 5 e 6: “Se irmãos morarem juntos, e um deles morrer sem filhos, então, a mulher do que morreu não se casará com outro estranho, fora da família; seu cunhado a tomará, e a receberá por mulher, e exercerá para com ela a obrigação de cunhado. O primogênito que ela lhe der será sucessor do nome do seu irmão falecido, para que o nome deste não se apague em Israel.

Porém, se o homem não quiser tomar sua cunhada, subirá esta à porta, aos anciãos, e dirá: Meu cunhado recusa suscitar a seu irmão nome em Israel; não quer exercer para comigo a obrigação de cunhado. Então, os anciãos da sua cidade devem chamá-lo e falar-lhe; e, se ele persistir e disser: Não quero tomá-la, então, sua cunhada se chegará a ele na presença dos anciãos, e lhe descalçará a sandália do pé, e lhe cuspirá no rosto, e protestará, e dirá: Assim se fará ao homem que não quer edificar a casa de seu irmão; e o nome de sua casa se chamará em Israel: A casa do descalçado.”

Vamos explicar, em linhas gerais, como funcionava:

Se um homem morria e deixava sua esposa sem filhos, o irmão daquele homem era moralmente obrigado a casar-se com a mulher de seu irmão e gerar filhos no nome de seu irmão falecido. Essa prática assegurava que o nome de quem morria sem gerar filhos não ficaria sem descendência. Entretanto, Boaz não era irmão de quem tinha sido marido de Rute, e que falecera. Assim, o procedimento deles não estaria em desacordo com a lei do levirato?

Embora tenha sido um caso um pouco mais complicado, o procedimento de Boaz, Noemi e Rute certamente não estava em desacordo com o que a lei do levirato estabelecia. O primeiro propósito do casamento pelo levirato era perpetuar a linha familiar daquele que morreu. Alguns fatores indicam que no tempo de Boaz e Rute já eram comuns alguns acréscimos ao que a lei do levirato originalmente estabelecera. Primeiro, se não havia um irmão vivo na família, então a obrigação do casamento ficava com o parente do sexo masculino mais próximo do falecido.

No caso em questão, havia um parente mais próximo do que Boaz da família de Noemi. Entretanto, quando ele não aceitou o convite, Boaz tornou-se o homem com grau de parentesco mais próximo, enquadrando-se na condição de ser aquele que legalmente teria de cumprir aquela obrigação moral.

Segundo, junto com a responsabilidade de gerar filhos no nome do falecido, havia ainda a responsabilidade de resgatar qualquer propriedade que pertencia ao que morrera e que tivesse sido vendida ou confiscada.

Levítico 25.25: “Se teu irmão empobrecer e vender alguma parte das suas possessões, então, virá o seu resgatador, seu parente, e resgatará o que seu irmão vendeu.”

Como o parente mais próximo não estava em condições de assumir tal responsabilidade, ele declinou desse direito e dessa responsabilidade de resgatar Noemi e casar-se com Rute, passando tais obrigações a Boaz. Podemos concluir que não há no resgate de Noemi nem no casamento de Boaz com Rute que esteja em desacordo com a lei do levirato.

Rute 4.5 a 10: “Disse, porém, Boaz: No dia em que tomares a terra da mão de Noemi, também a tomarás da mão de Rute, a moabita, já viúva, para suscitar o nome do esposo falecido, sobre a herança dele. Então, disse o resgatador: Para mim não a poderei resgatar, para que não prejudique a minha; redime tu o que me cumpria resgatar, porque eu não poderei fazê-lo.

Este era, outrora, o costume em Israel, quanto a resgates e permutas: o que queria confirmar qualquer negócio tirava o calçado e o dava ao seu parceiro; assim se confirmava negócio em Israel. Disse, pois, o resgatador a Boaz: Compra-a tu. E tirou o calçado. Então, Boaz disse aos anciãos e a todo o povo: Sois, hoje, testemunhas de que comprei da mão de Noemi tudo o que pertencia a Elimeleque, a Quiliom e a Malom; e também tomo por mulher Rute, a moabita, que foi esposa de Malom, para suscitar o nome deste sobre a sua herança, para que este nome não seja exterminado dentre seus irmãos e da porta da sua cidade; disto sois, hoje, testemunhas.”

Agora, depois destes esclarecimentos, podemos retomar o nosso estudo.

O meu propósito, por meio deste post, é mostrar que tudo começa a fazer sentido quando, a exemplo de Boaz, assumimos o propósito que Deus tem para nós. Você já parou para pensar qual é o propósito que Deus tem para você na história da sua família?

Rute estava colhendo espigas, como sempre fazia, e, sem planejar nada, deparou-se com o campo de Boaz, seu resgatador, e, assim, colhei além do que podia imaginar. Ela não teve só o suprimento que a sustentaria durante o dia, mas ganhou uma família e, ainda, restituiu Noemi, em honra.

Para vivermos essa colheita, eu quero destacar alguns pontos importantes:

1- Precisamos vencer o desânimo!

O que acontece com o tempo? O que acontece com as dificuldades? O que acontece com as lutas? Elas geram desânimo. Por isso, como Paulo nos ensina, não podemos nos cansar de fazer o bem. Muitas pessoas se cansam de cumprir o seu chamado, porque ainda não estão vendo o resultado de suas atitudes!

Gálatas 6.9: “E não nos cansemos de fazer o bem, porque a seu tempo ceifaremos, se não desfalecermos.”

Rute e Noemi tinham tudo para desanimar. O ambiente em que elas viviam era totalmente desfavorável. Eram duas mulheres viúvas e falidas. Rute ainda tinha um agravante: era estrangeira.  Elas tinham tudo para desistir…

Mas Rute não desanimou. Ela não permitiu que aquele ambiente externo determinasse o seu ambiente interno. Era uma mulher digna e de fé! Mesmo no pior momento de sua vida, continuou praticando o bem!

Naturalmente, quais são as atitudes que as pessoas tomam quando começam a perder o que amam ou o que construíram? Muitas se tornam amargas.

Eu nunca me esqueci de um testemunho que uma querida contou no De Bem com a Vida… Ela usou uma expressão que define muito bem a reação de algumas pessoas diante de situações adversas. “Bispa, a crise financeira entrou pela porta, e o amor pulou pela janela!”. O segundo maior motivo do divórcio atualmente são as crises financeiras. Rute e Noemi viveram assoladas em duas áreas que tiram qualquer pessoa do eixo: financeira e sentimental.

A despeito de tudo, Rute continuou tendo atitudes nobres. Tanto que sustentou a sogra, compartilhando o pouco que conquistava com ela.

É na hora da guerra que nós mostramos quais são nossas verdadeiras convicções e de qual time fazemos parte!

Antes de iniciar sua caminhada ministerial, Jesus Cristo foi levado para o deserto e, ali, em seu maior momento de necessidade física, foi tentado por Satanás. Mas não cedeu!

É muito fácil postar versículos bíblicos nas redes sociais quando vai tudo bem em nossas vidas… Mas e quando tudo dá errado? E no dia da perda? E no dia da traição? E no dia da falta de recursos? E no dia do “não” que tinha tudo para ser “sim”?  São momentos como esses que revelam nosso verdadeiro caráter! São em momentos como esses que as máscaras caem!

Rute mostrou que era uma mulher leal, fiel, honesta, companheira, nobre, generosa… Ela não colocou seus interesses acima de suas convicções. Ela poderia pensar “agora, é cada um por si!”. Mas, em vez disso reafirmou seu compromisso com Noemi:

Rute 1.16 e 17: “Disse, porém, Rute: Não me instes para que te deixe e me obrigue a não seguir-te; porque, aonde quer que fores, irei eu e, onde quer que pousares, ali pousarei eu; o teu povo é o meu povo, o teu Deus é o meu Deus. Onde quer que morreres, morrerei eu e aí serei sepultada; faça-me o SENHOR o que bem lhe aprouver, se outra coisa que não seja a morte me separar de ti.”

Vamos pensar friamente… Quais seriam as chances de Rute recomeçar em uma terra estranha? Quais eram as chances que Rute tinha de se casar em Belém? Ela era uma moabita! A origem daquele povo foi um relacionamento incestuoso entre Ló e uma de suas filhas. Quem era Ló? O sobrinho rebelde de Abraão! Quem iria querer se casar com uma mulher viúva, falida e, ainda, descendente de um povo amaldiçoado?

Quando enfrentamos o impossível, ou nós cremos que Deus pode e que Ele está no controle, ou entregamos os pontos! E aí que a nossa fé é colocada à prova! Rute poderia pensar: “Será que tanto esforço vale a pena?”. Quem pensa assim: de forma conformada e acomodada está construindo um caminho de derrota!

Quem se determina em Deus a ter vitória não se deixa vencer pelo desânimo. Ficar triste é normal, sentir cansaço é normal, mas renovamos nossas forças através de nossa fé naquele que é maior do que tudo isso! Caminhamos de acordo com a certeza de que Ele vai cumprir todas as promessas que fez!

Hebreus 11.1: “Ora, a fé é a certeza de coisas que se esperam, a convicção de fatos que se não veem.”

Eu gosto muito da história de Jacó, porque uma das marcas dele foi a perseverança. Enquanto o anjo não o abençoou, ele não o deixou ir. Nós precisamos ser assim!

Rute era assim: “Agora, o seu povo é o meu povo, e o teu Deus é o meu Deus! Onde fores, eu irei. Somente a morte poderá nos separar!”. Não havia dúvidas no discurso de Rute!

Para vencermos o desânimo, precisamos identificar quais são os gatilhos que geram este abatimento. Precisamos identificar a raiz do problema.

Noemi foi bombardeada na família e nas finanças. Essa foi a origem do seu desânimo e amargor.

Precisamos aprender a dominar, a gerenciar os sentimentos que vêm para nos destruir. Esse foi o diferencial de Rute. Em vez de despirocar e se tornar uma mulher amarga, sofrida… Levantou-se como uma verdadeira guerreira. Repare que, em nenhum momento, ela atribuiu a Deus suas perdas!

Quem perde o domínio das emoções perde o controle das situações! Precisamos aprender a continuar bem, mesmo quando tudo vai mal… É assim que nós construímos um bom futuro!

Até o capítulo 4 do livro de Rute, nós vemos a história de uma mulher que andou pela fé. Ela não tinha nada que garantisse sua mudança de sorte. Mas, em todo aquele tempo, sem saber, ela estava construindo, tijolo por tijolo, um futuro grandioso.

No mundo espiritual, a semeadura é algo extremamente precioso.  Em Mateus 13, está escrito que Jesus Cristo foi a semente lançada à terra por Deus. A Palavra é a semente que frutifica quando é lançada em uma terra fértil.

O mundo espiritual é marcado por ciclos. E o que vai garantir a conclusão deles são nossos sentimentos e atitudes. Quando semeamos, ou multiplicamos o bem ou multiplicamos o mal. Por isso, que eu sempre digo que nada é por acaso, ou questão de sorte…

Se alguém recebe algo sem ter pagado um preço por aquilo, com certeza, o perderá! Basta olhar a história de algumas pessoas que ganham na loteria. 1/3 dos ganhadores volta a empobrecer. Os empreendedores de sucesso têm um discurso diferente: “A minha sorte começa às 5h e termina à meia-noite! A minha sorte vem da minha dedicação!”.

Rute não andava por conveniência, mas por convicções! Existem pessoas que acabam interrompendo o ciclo da colheita, porque não sabem que ele é composto por várias fases. Deus tem uma porção para cada um de nós! Mas, para alcançá-la, precisamos nos mover, em fé!

Hebreus 11.6: “De fato, sem fé é impossível agradar a Deus, porquanto é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia que ele existe e que se torna galardoador dos que o buscam.”

Deus nos recompensa de diversas formas: com paz, alegria, sabedoria, livramentos… Nossas atitudes geram consequências no mundo espiritual e no plano material.  É o que nós abordamos no primeiro estudo! Nossas decisões são determinantes, sim!

2 Coríntios 9.10 e 11: “Ora, aquele que dá semente ao que semeia e pão para alimento também suprirá e aumentará a vossa sementeira e multiplicará os frutos da vossa justiça, enriquecendo-vos, em tudo, para toda generosidade, a qual faz que, por nosso intermédio, sejam tributadas graças a Deus.”

Isso é tão verdadeiro que, quando praticamos o bem, sentimo-nos muito melhor do que aqueles que receberam. Praticar o bem passar a virar um hábito, torna-se algo natural! Quanto mais fazemos, mais queremos praticar…  Gentileza gera gentileza, respeito gera respeito, amor gera amor…

Antes de questionar, reflita: Quais são minhas sementes? Algum dia, eu semeei amor nessa área? Eu semeei paciência? Eu semeei meu esforço? Eu semeei o necessário?”. Não adianta você querer receber mais se você não está disposto a entregar-se mais! Entrega envolve confiança!

2- Precisamos aceitar nosso chamado!

Rute 4.3 e 4: “Ora, aquele que dá semente ao que semeia e pão para alimento também suprirá e aumentará a vossa sementeira e multiplicará os frutos da vossa justiça, enriquecendo-vos, em tudo, para toda generosidade, a qual faz que, por nosso intermédio, sejam tributadas graças a Deus.”

Rute havia dito para Boaz qual era a missão dele:

Rute 3.9: “Disse ele: Quem és tu? Ela respondeu: Sou Rute, tua serva; estende a tua capa sobre a tua serva, porque tu és resgatador.”

Boaz, em vez de se isentar, assumiu a bronca! E você? Assumiria?

O que mais vemos são pessoas fugindo do seu chamado, de sua vocação, de suas responsabilidades! Pastor que não quer pastorear, levita que não quer louvar… Mãe que não quer educar… Pai que não quer assumir os filhos… Casado que não quer agir como marido… Esposa que não quer cuidar do marido… Professor que não quer ensinar…

Muitas se isentam, porque existem outras que deveriam assumir antes delas e se omitiram… Havia um parente mais próximo do que Boaz, mas ele se isentou…

Rute 4.5 a 8: “Disse, porém, Boaz: No dia em que tomares a terra da mão de Noemi, também a tomarás da mão de Rute, a moabita, já viúva, para suscitar o nome do esposo falecido, sobre a herança dele. Então, disse o resgatador: Para mim não a poderei resgatar, para que não prejudique a minha; redime tu o que me cumpria resgatar, porque eu não poderei fazê-lo. Este era, outrora, o costume em Israel, quanto a resgates e permutas: o que queria confirmar qualquer negócio tirava o calçado e o dava ao seu parceiro; assim se confirmava negócio em Israel. Disse, pois, o resgatador a Boaz: Compra-a tu. E tirou o calçado.”

Boaz decidiu pagar o preço!

Se traçarmos um comparativo, podemos dizer que Jesus foi o nosso resgatador.  Ele assumiu a missão. Esvaziou-se de Sua glória e foi fiel até a morte!

1 Timóteo 2.5 e 6: “Porquanto há um só Deus e um só Mediador entre Deus e os homens, Cristo Jesus, homem, o qual a si mesmo se deu em resgate por todos: testemunho que se deve prestar em tempos oportunos.”

Ele pagou um alto preço por nós

1 Coríntios 7.23: “Fostes comprados pelo mais elevado preço; não vos torneis escravos de homens!”

Enquanto você não se dispor, nada vai acontecer! Se fosse para Deus chamar o outro, já teria chamado! Mas o que é natural? “Ah, já que fulano não quer… Por que eu tenho que querer?”. “Fulano nunca cumpre a escala, por que, então, eu tenho que cumprir?”… “Estão me explorando!”… “Melhor eu pular fora, porque vai sobrar pra mim!”.

Você acha mesmo que Rute estava pensando que as atitudes dela mudariam o rumo de sua história? Claro que não! Ela não tinha garantias de nada! Ela fez o que fez, porque quis! Ao lado de Noemi, ela não teria futuro!

Enquanto você não se apresentar como o abençoador, como doador… sua vida nunca vai pra frente. O que nós sabemos sobre Orfa? Nada! Nem sabemos se ela conseguiu, de fato, voltar para Moabe… Fazer o bem custa muito! É, muitas vezes, nadar contra a corrente!

Boaz assumiu a posição que estava determinada para ele, e mais: ele restituiu Rute de tudo!

E eu te pergunto hoje: Até quando, você vai aceitar viver sem propósitos? Até quando você vai se esconder atrás da omissão dos outros?

Filipenses 2.5: “Tende em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus.”

Qual era o sentimento de Cristo? “Não vou permitir que eles se percam!”.

Quando assumimos a posição que o Senhor determinou para nós, quando ocupamos o local reservado para nós dentro do plano d’Ele, geramos frutos dignos de vida eterna. Boaz entrou para a genealogia de Davi e de Jesus Cristo!

Quando assumimos nosso chamado, geramos Jesus Cristo na vida de outras pessoas. A nossa entrega gera esperança e salvação.

Boaz disse: “Eu a resgatarei!”. Profeticamente, Jesus Cristo fez o mesmo por nós na cruz: “Pai, está consumado!”. O que Ele quis dizer: “Pai, eu cumpri o meu chamado”.

O que Paulo disse para Timóteo, seu filho espiritual?

2 Timóteo 4.5: “Tu, porém, sê sóbrio em todas as coisas, suporta as aflições, faze o trabalho de um evangelista, cumpre cabalmente o teu ministério.”

O que “cabalmente” significa? Que devemos ir até o fim, independente das circunstâncias.

Cumprir o chamado é uma grande fonte de paz e alegria… É fazer parte de um propósito muito maior… Nada supera essa sensação, nem mesmo uma realização profissional ou familiar… O nosso chamado faz parte da nossa identidade espiritual.

João 10.11: “Eu sou o bom pastor. O bom pastor dá a vida pelas ovelhas.”

A salvação foi anunciada através do envio! O plano de redenção foi traçado quando o homem pecou no Éden.

Gênesis 3.15: “Porei inimizade entre ti e a mulher, entre a tua descendência e o seu descendente. Este te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar.”

Deus não deixou Adão e Eva descobertos e desprotegidos.

Gênesis 3.21: “Fez o SENHOR Deus vestimenta de peles para Adão e sua mulher e os vestiu.”

Ele anunciou que haveria uma salvação para nós… Ele anuncia Suas promessas…

O que cabe a nós? Aceitar o envio.

Quando Isaías entrou na presença de Deus, ele era uma criança na fé. Mas o processo de amadurecimento dele começou com o envio.

Isaías 6.8: “Depois disto, ouvi a voz do Senhor, que dizia: A quem enviarei, e quem há de ir por nós? Disse eu: eis-me aqui, envia-me a mim.”

E foi assim que Boaz agiu… E é assim que você deve agir…

Quem vai falar de Jesus para a sua família? Você! Quem será um instrumento de salvação para os seus colegas de trabalho? Você!

O envio de Moisés foi para libertar o povo hebreu. O de Abraão foi caminhar pela fé e ser pai de nações… Mas para todos nós Jesus nos deixou um envio, sabia?

Marcos 16.15: “E disse-lhes: Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura.”

A nossa missão é levar o amor de Deus para as pessoas!

Meu marido foi salvo por um crente “chato”, que sempre o convidava para ir à igreja. No começou, ele fugia… Mas, no dia em que ele sofreu um grave acidente, de quem ele se lembrou? Do crente chato! Por isso, eu sempre falo para não desistirmos de ninguém!

Tenha como objetivo a salvação de quem você ama! Coloque isso nas suas resoluções… Determine-se!

Lucas 10.3: “E lhes recomendou: A seara é grande, mas os trabalhadores são poucos. Rogai, pois, ao Senhor da plantação que mande obreiros para fazerem a colheita.”

O que Jesus quis dizer? Que a colheita é grande, mas são poucos os ceifeiros! Existem muitas vidas para serem salvas, e a gente acha que já tem muita gente pregando o evangelho! Engano seu!

É você mesmo que Deus levantou! Não espere que outra pessoa entre no seu ambiente de trabalho e fale de Jesus para aquele seu colega que está com depressão. Não fuja mais da sua missão de resgatador!

Você sabia que do casamento de Rute e Boaz saiu o plano de salvação de Deus para a humanidade? Jesus Cristo era descendente deles! Mas o resgate começou com quem? Com ela!

Quando somos transformados pelo amor daquele que pagou um preço por nós, falar de Jesus se torna algo espontâneo, natural…

Precisamos aprender a pagar o preço pelo próximo… A nos levantar como um instrumento de salvação! Semear o que frutificou dentro e nós!

Como o chamado de Deus se manifesta em nossas vidas?

1- Quando somos salvos

2- Quando somos chamados e a nossa vocação é revelada!

Romanos 1.1: “Paulo, servo de Jesus Cristo, chamado para apóstolo, separado para o evangelho de Deus.

3- Quando geramos frutos

Adiantava Boaz só dizer que era resgatador de Rute? Ele precisava seguir as leis.

Existem tantas pessoas que têm um discurso lindo sobre fé. Mas, na hora de perdoar, na hora de amar as vidas… cadê? Não adiante ter discurso e não ter práticas… As nossas atitudes revelam o que há dentro de nós!

Tiago 2.17 e 18: “Assim também a fé, se não tiver as obras, é morta. Mas alguém dirá: Tu tens fé, e eu tenho obras; mostra-me essa tua fé sem as obras, e eu, com as obras, te mostrarei a minha fé.”

Rute é um grande exemplo destes dois versículos. Antes de ela chegar ao campo de Boaz, ele já conhecia as obras dela. Ele já sabia tudo o que ela havia feito pela sogra.

Rute 2 10 a 12: “Então, ela, inclinando-se, rosto em terra, lhe disse: Como é que me favoreces e fazes caso de mim, sendo eu estrangeira? Respondeu Boaz e lhe disse: Bem me contaram tudo quanto fizeste a tua sogra, depois da morte de teu marido, e como deixaste a teu pai, e a tua mãe, e a terra onde nasceste e vieste para um povo que dantes não conhecias. O SENHOR retribua o teu feito, e seja cumprida a tua recompensa do SENHOR, Deus de Israel, sob cujas asas vieste buscar refúgio.”

Rute 3.11: “Agora, pois, minha filha, não tenhas receio; tudo quanto disseste eu te farei, pois toda a cidade do meu povo sabe que és mulher virtuosa.”

O que as tuas obras têm anunciado sobre você?

Todos nós temos um chamado. Ele faz parte da nossa identidade espiritual… É como se morássemos em uma casa com dois andares: o primeiro é o plano terreno, e o segundo é o espiritual, que determina como tudo será. É o plano superior que comanda nossas vidas, dentro dos propósitos de Deus!

Como saber qual é sai na terra? Envolvendo-se com a obra! Envolvimento gera sentimento e desenvolvimento!

Se Rute não tivesse pedido o envio antes de entrar no campo, o plano que Deus tinha para ela não teria se cumprido, porque ela não teria uma direção! Mas come ela foi ao encontro de Boaz? Trabalhando… Colocando a vida dela em movimento! O que a movia? A necessidade, o amor pela sogra…

Deus disse a Abraão: “Sai da sua terra, da sua parentela e vá para onde Eu mostrarei!”. E assim ele o fez! Abraão seguiu a voz de um Deus até então desconhecido… Mas o que o moveu? A necessidade de ter um filho… Não adianta querermos espiritualizar tudo! O que tirou Abraão da zona de conforto dele? Ele já tinha tudo: dinheiro, esposa, prestígio…

Existem momentos em que o Senhor nos coloca no limite, para que a gente entenda que dependemos d’Ele.

João 15.5: “Eu sou a videira, vós, os ramos. Quem permanece em mim, e eu, nele, esse dá muito fruto; porque sem mim nada podeis fazer.”

Deus lida com pessoas inconformadas, não acomodadas!

Romanos 12.2: “E não vos conformeis com este século, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus.”

Quando nos conformamos com algo, assumimos um formato que não é nosso! Quando algo está no formato errado, o que significa? Que está deformado! Algo sem formato é deformado também… Precisamos parar de alimentar nossas deformações… O que Deus quer formar em nós? O caráter de Cristo!

O que Rute tinha? Um caráter inabalável. Precisamos ter consciência de que esse caráter, muitas vezes, é formado em momentos de dor! Estamos em formação… Estamos em evolução… E para desenvolvermos nossa melhor versão, existem perdas que são necessárias!

O aprendizado sempre passa pela prática… Eu posso te ensinar, passo a passo, a andar de bicicleta, mas você só aprenderá montando e andando nela… Não tem jeito! E, neste processo, algumas quedas ocorrem…

Existem pessoas que conhecem o evangelho na teoria, mas, na prática, não acreditam em nada! Na primeira dificuldade… jogam tudo pelo alto!

Boaz reconheceu que poderia ser o resgatador de Rute, conhecia as leis, mas isso não bastou… Ele teve atitudes condizentes… Ele assumiu a posição e foi até as últimas consequências!

4- Quando andamos debaixo de cobertura e, consequentemente, debaixo de proteção

Boaz colocou a capa dele sobre Rute!

Rute 3.14 e 15: “Ficou-se, pois, deitada a seus pés até pela manhã e levantou-se antes que pudessem conhecer um ao outro; porque ele disse: Não se saiba que veio mulher à eira. Disse mais: Dá-me o manto que tens sobre ti e segura-o. Ela o segurou, ele o encheu com seis medidas de cevada e lho pôs às costas; então, entrou ela na cidade.”

Não existe envio sem cobertura. O que Jesus disse quando entregou as chaves da Igreja nas mãos de Pedro?

Mateus 16.18 e 19: “Também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela. Dar-te-ei as chaves do reino dos céus; o que ligares na terra terá sido ligado nos céus; e o que desligares na terra terá sido desligado nos céus.”

Se você acha que pode enfrentar o mundo espiritual sendo um “desigrejado”, está muito enganado! Somos o templo do Espírito Santo, que o Senhor escolheu para habitar, mas é na comunhão que Ele ordena Suas bênçãos!

Jesus deixou bem claro que só existe uma força na terra capaz de prevalecer sobre o inferno: a igreja!

Estar debaixo da cobertura da Igreja é estar protegido contra as obras de Satanás! Como faço para ter mais poder sobre o que veio para me destruir? Como faço para ter resistência? Estando debaixo de proteção! Como faço para ter autoridade? Estando debaixo da cobertura da Igreja… O mal existe, mas ele não vai tirar o seu chão, não vai tirar a sua paz e a sua alegria!

Quando estamos debaixo de cobertura, passamos pela tempestade, sem sermos destruídos!

5- Quando ouvimos a voz de Deus e a seguimos!

Para cumprir o meu chamado, é necessário:

1- Doação!

Não existe chamado sem entrega!

Atos 20.35: “Mais bem-aventurada coisa é dar do que receber.”

2- Superação de limites internos e externos

3- Arrependimento (limpeza constante)

4- Gerar salvação

5- Prosperidade

É ter frutos! É ter uma vida de realizações!

Salmos 1.3: “Ele é como árvore plantada junto a corrente de águas, que, no devido tempo, dá o seu fruto, e cuja folhagem não murcha; e tudo quanto ele faz será bem sucedido.”

Rute 4.7 e 8: “Este era, outrora, o costume em Israel, quanto a resgates e permutas: o que queria confirmar qualquer negócio tirava o calçado e o dava ao seu parceiro; assim se confirmava negócio em Israel. Disse, pois, o resgatador a Boaz: Compra-a tu. E tirou o calçado.”

Preste atenção nos detalhes destes versículos… Foi isso o que Jesus fez conosco… Ele colocou sobre Si o nosso jugo (pesado e insuportável) e colocou sobre nós o fardo d’Ele, que é leve! Fez a troca que nos libertou completamente…

Boaz trocou o calçado dele com o daquele rapaz, porque ele decidiu carregar todo o peso daquele passado de Rute. Assim, ele a resgatou!

E mais: tudo foi feito publicamente, como Jesus Cristo fez conosco!

Colossenses 2.13 a 14: “E a vós outros, que estáveis mortos pelas vossas transgressões e pela incircuncisão da vossa carne, vos deu vida juntamente com ele, perdoando todos os nossos delitos; tendo cancelado o escrito de dívida, que era contra nós e que constava de ordenanças, o qual nos era prejudicial, removeu-o inteiramente, encravando-o na cruz; e, despojando os principados e as potestades, publicamente os expôs ao desprezo, triunfando deles na cruz.”

Colossenses 1.13 e 14: “Ele nos libertou do império das trevas e nos transportou para o reino do Filho do seu amor, no qual temos a redenção, a remissão dos pecados.”

1 Timóteo 2.6: “…o qual a si mesmo se deu em resgate por todos: testemunho que se deve prestar em tempos oportunos.”

1 Pedro 1.18 e 19: “…sabendo que não foi mediante coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados do vosso fútil procedimento que vossos pais vos legaram, mas pelo precioso sangue, como de cordeiro sem defeito e sem mácula, o sangue de Cristo…”

Jesus entregou o que só Ele poderia!

O que Boaz fez por Rute tipifica profeticamente o que Cristo fez por nós! E é com esta mensagem que eu quero encerrar o estudo de hoje!

You Might Also Like