Siga-me

Navegue por categoria

Últimos posts

O CAMINHO DE RUTE: DA TRAGÉDIA, UMA LINDA TRAJETÓRIA

Nós terminamos nossa primeira aula com o cântico de Rute, com o voto que ela fez:

Rute 1.16 a 18: “Disse, porém, Rute: Não me instes para que te deixe e me obrigue a não seguir-te; porque, aonde quer que fores, irei eu e, onde quer que pousares, ali pousarei eu; o teu povo é o meu povo, o teu Deus é o meu Deus. Onde quer que morreres, morrerei eu e aí serei sepultada; faça-me o SENHOR o que bem lhe aprouver, se outra coisa que não seja a morte me separar de ti.Onde quer que morreres, morrerei eu e aí serei sepultada; faça-me o SENHOR o que bem lhe aprouver, se outra coisa que não seja a morte me separar de ti. Vendo, pois, Noemi que de todo estava resolvida a acompanhá-la, deixou de insistir com ela.”

Agora, vamos dar seguimento ao nosso estudo…

Rute 1.19 a 22: “Vendo, pois, Noemi que de todo estava resolvida a acompanhá-la, deixou de insistir com ela. Então, ambas se foram, até que chegaram a Belém; sucedeu que, ao chegarem ali, toda a cidade se comoveu por causa delas, e as mulheres diziam: Não é esta Noemi?

Porém ela lhes dizia: Não me chameis Noemi; chamai-me Mara, porque grande amargura me tem dado o Todo-Poderoso. Ditosa eu parti, porém o SENHOR me fez voltar pobre; por que, pois, me chamareis Noemi, visto que o SENHOR se manifestou contra mim e o Todo-Poderoso me tem afligido? Assim, voltou Noemi da terra de Moabe, com Rute, sua nora, a moabita; e chegaram a Belém no princípio da sega da cevada. “

A distância entre Moabe e Belém era de aproximadamente 80 km. Naquela época, o único meio de transporte eram os animais. Não sei se elas tinham estrutura ou se foram a pé. Mas fico imaginando como era perigosa esta jornada, principalmente para duas mulheres indefesas e desamparadas. Elas colocaram em risco sua integridade física.

Mesmo sofrendo e sem perspectivas de futuro, elas tomaram a decisão de seguir em frente. Noemi estava totalmente encarcerada emocionalmente: “Não me chame mais de Noemi, agora sou Mara [que significa ‘amarga’]!”. Todo aquele sofrimento era compreensível e justificável. Ela perdeu o marido e os dois filhos.

Quando, além da dor, nós não enxergamos um propósito, perdemos nossa identidade. Deixamos de enxergar quem somos em Deus.

Precisamos ter consciência de que Ele não é um Deus de confusão. Ele nunca nos provará além do que podemos suportar.

1 Coríntios 10.13: “Não vos sobreveio tentação que não fosse humana; mas Deus é fiel e não permitirá que sejais tentados além das vossas forças; pelo contrário, juntamente com a tentação, vos proverá livramento, de sorte que a possais suportar.”

Quando afirmamos “eu não aguento mais”, o que queremos dizer? Que tudo está além do que qualquer ser humano poderia aguentar.  Mas será que Deus seria injusto de nos provar além dos nossos limites? Além da nossa capacidade natural?

Agora, eu acredito que cada pessoa tenha o seu “suportômetro”. Cada um tem um limite. Mas quem sabe qual é não somos nós, mas Deus. Talvez, você pense: “Eu só aguento até aqui!”. Mas Deus sabe que você pode muito mais… Ele quer que a gente cresça, evolua e se desenvolva. Só assim, Ele poderá nos colocar em patamares maiores…

Noemi estava entorpecida por causa daquelas sucessivas perdas. Chegou a até perder sua identidade. Qual é a primeira coisa que define nossa identidade? Nosso nome! Ela quis mudar seu nome para “amargurada”.

Além de estar em uma terrível crise existencial, Noemi estava em uma crie espiritual. Estava magoada com Deus. Ela se sentiu desamparada por Ele.

O que faltava para Noemi? Ter consciência de qual era o seu verdadeiro propósito! Deus tinha propósitos para aquelas três mulheres – Noemi, Rute e Orfa. Mas Orfa decidiu abandoná-los. Noemi, por outro lado, mesmo machucada, fez a escolha certa: voltar para Belém. E Rute? Foi com ela!

Na primeira aula, nós falamos sobre as decisões certeiras que Rute tomou. Hoje, vamos falar sobre sua incrível jornada rumo a Belém!

Hoje, eu quero falar sobre o caminho de volta à nossa essência, à nossa origem, ao primeiro amor, ao nosso projeto original…

Salmos 139.16: “Os teus olhos me viram a substância ainda informe, e no teu livro foram escritos todos os meus dias, cada um deles escrito e determinado, quando nem um deles havia ainda.”

Deus nos formou a partir de um projeto… Com o passar dos dias, vamos crescendo e nos desenvolvendo… Mas, se formos como aquelas árvores que não são podadas, desviamo-nos deste propósito inicial… Crescemos cheios de deformidades.

Deus, no seu imensurável amor, respeita nossas escolhas e nossos limites! Mas a melhor escolha é nos deixar ser moldados por Ele!

Jeremias 18.4: “Como o vaso que o oleiro fazia de barro se lhe estragou na mão, tornou a fazer dele outro vaso, segundo bem lhe pareceu.”

Deus, muitas vezes, quer te levar para a olaria, ou seja, para o local do teu amadurecimento…

Quando temos consciência de que tudo faz parte de um propósito superior, percebemos que a dor não é definitiva… Ela apenas faz parte do processo…

Eu tenho duas experiências.  Passei por uma cesariana, mas não tive o bebê. Recebi o corte, senti dores, o líquido jorrou… Foi um aborto espontâneo. Eu tive três gestações.  Em todas, eu optei pelo parto normal. Estou na quarta, mas, sinceramente, nem me lembro das dores que tive nas outras… Se não, nem me animaria para ter outro filho… Ser mãe é tão bom, que supera tudo, inclusive as tão temidas dores de parto…

Não ficamos com aquela memória da dor, por quê? Ela teve um propósito muito maior! Existem coisas que são pedagógicas na nossa relação com Deus… Por isso que nós falamos que a vida é uma grande escola. É uma jornada de aprendizado!

Então, quando passamos por momentos de incompreensão e sofrimento, precisamos entender que, acima de tudo isso, existe um propósito!

Quando, simplesmente, sentimo-nos oprimidos, massacrados… Isso nos leva para o mesmo ambiente interno de Noemi, o do sofrimento. Mas, mesmo carregando uma dor muito grande dentro de si, ela tinha consciência de que deveria voltar para a sua base.

Muitas pessoas acham que fazer este tipo de movimentação é um retrocesso… Muitas pessoas, por orgulho, acabam não voltando para o ministério, para suas casas, para o seu trabalho…

Quando o Filho Pródigo voltou para casa, o que ele encontrou? Um ambiente hostil? Não! Uma grande festa! Um dia, podemos ser aqueles que estão voltando. Mas, em outros, seremos aqueles que acolhem. Todos merecem uma segunda chance. Não temos o direito de julgar ninguém.

Trair é pecado, sim! Mentir é pecado, sim! Mas a falta de perdão também é! A falta de misericórdia também é! Julgar também é!

Quando Deus permite que enxerguemos algo que nossos irmãos não enxergam, é para que nos tornemos seus conselheiros ou intercessores ou– quando não temos abertura para falar sobre…

Romanos 15.1: “Ora, nós que somos fortes devemos suportar as debilidades dos fracos e não agradar-nos a nós mesmos.”

Todos nós teremos dias de fraqueza e também precisaremos de apoio! Por isso, quando estiver forte, nunca negue apoio a ninguém!

Para trilhar este caminho de retorno, Noemi teve que passar por situações extremas! São nestes momentos que estabelecemos novas resoluções e retomamos o controle de nossas vidas!

Precisamos sentar e estabelecer novas metas. Eu, por exemplo, gosto de escrevê-las… É como se eu estivesse firmando um compromisso comigo mesma! Para cada ano, eu não procuro estabelecer muitas metas novas. Eu procuro estabelecer um grande objetivo. Se você conseguir alcançar um grande objetivo por ano… Em dez anos, você terá acumulado dez grandes realizações, em vez de muitas frustrações.

Com um grande objetivo, acabamos gerando uma série de outras metas. E isso é muito bom, porque essas pequenas metas diárias nos trazem grandes satisfações! Elas são os tijolinhos que farão parte do grande edifício que vamos edificar!

Quando pedimos algo para o Senhor, precisamos ter consciência de que Ele nunca fará do jeito que queremos ou no nosso tempo. Ele é Deus, não é um ser humano e, muito menos, nossos escravp. O fato de não enxergarmos o agir d’Ele não significa que Ele esteja de braços cruzados…

Qual era o olhar de Noemi: “Deus não fez conforme eu imaginava, conforme minha vontade!”. Não, mas Ele tinha para ela um outro caminho, algo que superaria qualquer perda e qualquer sofrimento…

O que eu espero do Senhor? O meu caminho de volta para o meu ministério, para a minha comunhão, para minha casa, para que eu tenha paz interior…

Quais são os males do século 21? A ansiedade e a depressão! Quando a gente se deprime? Quando criamos expectativas elevadas, quando ficamos limitados às nossas frustrações e quando não enxergamos propósito em nossa dor.

Muitas vezes, somos tão cruéis com nós mesmos, né? Somos nossos piores inimigos! Cuidamos de todo mundo, dedicamos nosso tempo… Somos boas amigas, boas mães, boas companheiras… Mas não nos tratamos com o mesmo carinho e dedicação. Fazemos para nós as piores escolhas! Sabe de qual pessoa você mais precisa? De você mesma! Se você não estiver bem, você não conseguirá fazer nada… Se você não consegue ser boa para si, não será para mais ninguém.

Mateus 22.31: “O segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo.”

Quem não é feliz sozinho nunca será feliz com ninguém! Você não foi criado para somente corresponder expectativas alheias ou para viver uma mentira!

Mesmo intoxicada emocionalmente, Noemi sabia para onde voltar…

Quando estamos confusos, perdidos e bagunçados emocionalmente, precisamos saber onde está o nosso botão de “reset”, o nosso “restart”. No meu caso, é a Palavra de Deus. Sempre que preciso de um caminho, de uma resposta e de uma renovação, eu entro no meu “quarto de guerra” e oro! Eu me fortaleço na minha comunhão com Deus. Só assim, eu consigo me lembrar de quem eu sou!

A gente tem que olhar muito para dentro. Pode parecer confuso, mas é um exercício diário. Eu estou na minha quarta gestação. Então, é uma enxurrada de emoções… Por isso, antes de ser dominada por elas, eu paro e penso: “Fê, por que você está pensando dessa forma?”. Eu procuro entender qual é a origem desses pensamentos e sentimentos… Se são os meus medos, se são meus hormônios, se é espiritual…

Quando eu consigo defini-los, eu os coloco em um papel… Por quê? Porque, desta forma, eu  tenho a dimensão real: “Isso não justifica tanto desespero. Seja leve, Fê!”.

Qual é a tendência da maioria das pessoas? Deixar para lá ou se distrair. Isso não resolve! Pelo contrário, todos aqueles sentimentos voltarão com mais força ainda e ainda vão se misturar com outras demandas emocionais que vão aparecendo ao longo do dia… A melhor forma de vencer algo é encarando, ou seja, nada de ignorar!

Precisamos derrubar aquele mito de que o tempo cura todas as coisas! Mentira! Feridas que não são expostas jamais serão tratadas devidamente e, consequentemente, curadas! O tempo pode ser um bom aliado quando estamos enfrentando nossas dores…

De alguma maneira, Noemi voltou para encarar a realidade. Era um pacote carregado de preconceitos, questionamentos… Sem contar a situação de miséria financeira e emocional. Mas, mesmo com dor, ela escolheu continuar a caminhar. Mas, acima de tudo, sabe quem ela encontraria lá? Deus!

Sabe qual é o nosso lugar? Onde ficamos mais perto d’Ele! É para lá que sempre temos que voltar! O seu lugar não está em relacionamentos e conversas tóxicas. Não está naquela amiga que só fala mal dos outros… Ninguém nunca sai bem desses papos… A não ser que seja um desabafo. Agora, quando a intensão é contaminar… Melhor cortar e mostrar pra essa pessoa o caminho de volta à essência.

Qual seria o caminho de volta em uma situação como essa?

Romanos 12.18: “…No que depender de vós, tende paz com todos!”.

Existem princípios de justiça… Por exemplo, você estava dirigindo e acabou atropelando uma pessoa. Ela não resistiu aos ferimentos e morreu. Você, então, vai a julgamento. Você pode ser condenado por homicídio doloso (quando há intensão de matar) ou culposo (quando não há intensão e matar).

Por exemplo, aquela mulher que foi traída pelo marido e depois o atropelou foi condenada por homicídio doloso. Não foi um acidente, foi intencional.

Deus sabe todas as intenções e motivações que existem por trás de nossas atitudes.

Jeremias 17.10: “Eu sou o Senhor que sonda o coração e examina a mente, para recompensar a cada um de acordo com a sua conduta, de acordo com as suas obras…”

Ele sabe o que te move! Ele sabe por que você saiu de casa hoje! Ele sabe quais são suas verdades.

Enquanto Ana quis ter um filho para dar satisfações à sociedade e para provar que ela era melhor do que Penina, sua oração não foi ouvida. Mas, quando as motivações dela mudaram… Quando ela desejou ter aquele filho para cumprir um propósito superior, o Senhor abriu as portas: “Eu quero um filho, Senhor, mas para Te entregar!”. Ela não teve Samuel, como teve outros filhos.

Ele se abriu para dar à luz àquele que Deus queria gerar dentro dela! Ana tornou-se uma mulher-chave para o plano do Senhor!

Rute também foi uma mulher-chave. Foi bisavó do rei Davi!

Deus quer que sejamos homens e mulheres-chaves, mas, para isso, precisamos encontrar o nosso caminho de volta!

Muitas vezes, por causa das frustrações do passado, por causa de manipulações, por causa de deduções, ficamos perdidos!

Por isso, antes de tomar qualquer atitude, pense: “O que eu pretendo transmitir para as pessoas?”.

Eu aprendi que existem três grandes motivações que precisamos ter na nossa vida (nesta ordem):

– Deus;

Mateus 6.33: “…buscai, pois, em primeiro lugar, o seu reino e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas.”

Mateus 22.37 e 38: “Respondeu-lhe Jesus: Amarás o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma e de todo o teu entendimento. Este é o grande e primeiro mandamento.”

Salmos 37.4: “Agrada-te do SENHOR, e ele satisfará os desejos do teu coração.”

Atos 16.31: “E eles disseram: Crê no Senhor Jesus Cristo e serás salvo, tu e a tua casa.”

– Família;

Tudo o que você fizer pela sua família, o Senhor vai te abençoar. A família é um projeto d’Ele!

– Trabalho.

Salmos 1.3: “Ele é como árvore plantada junto a corrente de águas, que, no devido tempo, dá o seu fruto, e cuja folhagem não murcha; e tudo quanto ele faz será bem sucedido.”

Josué 1.8: “Não cesses de falar deste Livro da Lei; antes, medita nele dia e noite, para que tenhas cuidado de fazer segundo tudo quanto nele está escrito; então, farás prosperar o teu caminho e serás bem-sucedido.”

É uma bênção de Deus. O Senhor nos criou para sermos produtivos. Não adianta nós só recebermos a palavra, precisamos agir!

Precisamos profetizar… Mas a nossa parte Deus não vai fazer! Sabe quanto é 1.000.000.00 x 0? Zero!

Deus tinha um plano para Rute e Noemi, mas elas precisavam se mover em direção a ele! Elas precisavam chegar à Casa do Pão.

Sabe qual é o nosso “restart”, nosso “reset”? O local onde nós encontramos nosso alimento espiritual!

Então, vamos lá… Quais foram os posicionamentos de Rute:

1- Encontrar o seu caminho de volta

2- Saber receber

Precisamos aprender a aproveitar todas as oportunidades! O nosso orgulho, muitas vezes, impede-nos de ser abençoados! Ser autoconfiante é diferente de ser autossuficiente!

Rute não voltou para Belém para ela ser a mesma mulher, mas para receber algo de quem ela menos esperava! Precisamos estar abertos para receber e saber receber! Ser amado e querido é tão bom! Não despreze isso!

Existem vários tipos de linguagens de amor, sabia disso? Cada pessoa tem o seu jeito de amar!

Inclusive, tem um livro que fala muito sobre isso. Já vou deixar a indicação aqui: “Cinco Linguagens do Amor”, de Gary Chapman. Vale a pena!

Precisamos aprender a reconhecer o que os outros fazem por nós.

Vou dividir uma experiência nossa…

Quando estávamos para realizar a primeira Marcha para Jesus na África, um pastor africano deu um cordão de brilhantes muito bonito para a esposa dele. Aquela região é muito conhecida pelas sua grande quantidade de pedras preciosas. Mas ela não tinha esse costume. Do país de onde ela veio, as pessoas demonstram seu afeto de maneira diferente. E ela não reconheceu o valor que aquela peça tinha. Ela, simplesmente, entregou para a filha e disse: “Vê o que podemos fazer com isso!”.

Às vezes, precisamos aprender a receber o que é precioso para os outros. Talvez, não seja para nós… Mas é algo de muito valor!

Por exemplo, o jeito da minha sogra mostrar amor é cozinhando. Quando vamos para a casa dela, ela prepara pratos de acordo com o gosto de cada um! Na época de namoro, eu olhava tudo aquilo e pensava: “Meu Deus! Que trabalho nós estamos dando para ela!”. E eu ainda tinha o costume de fazer sugestões: “Tia, não precisa de todo esse esforço, vamos sair todos para almoçar! Ou melhor: por que a gente não se reveza na cozinha?”. E ela sempre dizia: “De jeito nenhum, a cozinha é por minha conta!”. E assim foi até o dia em que eu entendi que aquela era a linguagem de amor dela… Não era um sacrifício, era uma alegria!

E eu comecei a fazer questão de mostrar para ela o quanto eu valorizava tudo aquilo, o quanto aquela atitude de amor me fazia bem… Quando nós amamos, o que é importante para o outro passa a ser importante para nós também!

As pessoas expressam o amor delas nos pequenos detalhes. Por exemplo, antes de dormir, meu marido sempre verifica se tudo está devidamente trancado. É a maneira dele de demonstrar seu amor, sua proteção… Eu poderia simplesmente pensar que é algo supérfluo.

As mulheres, muitas vezes, acabam cometendo este erro! Fomos criadas para ser independentes, resolvidas, ousadas e, muitas vezes, deixamos de reconhecer os pequenos gestos de carinho das pessoas!

A linguagem do feminismo é “a gente se basta!”. Mas não podemos nos esquecer de que vivemos em sociedade! A necessidade de compartilhar faz parte da nossa natureza! De que adianta ter conquistas se você não pode dividi-las e celebrá-las com ninguém? Conquistar sozinha é bom, mas conquistar junto é melhor ainda!

É importante nós também nos alegrarmos com as conquistas dos nossos irmãos! Tenho certeza de que eles se alegrariam com as suas! Isso também atrai a bênção do Senhor para nós!

 

E, nesse pacote de “saber receber”, está também os “nãos” de Deus! Ninguém gosta de ser contrariado, né? Mas o Senhor não existe para satisfazer nossas necessidades! Ele é o nosso Pai! E, além de nos conhecer como ninguém, Ele sabe como será o futuro!

Os “nãos” de Deus são uma maneira de Ele nos preservar, não nos punir, como a gente pensa! Ele quer nos disciplinar, não nos destruir!

Precisamos saber qual é o fio condutor deste caminho que nos leva de volta para Belém… Qual é a bússola deste caminho? Um propósito!

Se eu te perguntar qual é, talvez você não saiba exatamente. Mas você precisa, antes de iniciar suas atividades, ter consciência de que você está debaixo de um propósito.

Em Romanos 12.2, está escrito que a vontade de Deus é boa, perfeita e agradável. Um dia, eu entrei em crise com essa palavra. Um dia, eu me tranquei no meu closet, que é meu “quarto de guerra”, ajoelhei-me em cima da Bíblia e orei, aos prantos: “Senhor, esta palavra não é uma verdade na minha vida! Como o Senhor fala que Sua vontade é boa, perfeita e agradável, sendo que tudo o que estou passando não se encaixa em nada disso?”.

Deus fala para que a gente passe pela vontade d’Ele, para que depois a gente descubra que foi o melhor que poderia ter acontecido.

Romanos 12.2: “E não vos conformeis com este século, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus.”

Lendo de novo estes dois versículos, eu percebi que eu não estava tomando o formato que Deus queria. O que significa se conformar? Tomar a forma de algo… Com aquela situação, o Senhor estava me tirando da minha zona de conforto! O que é zona de conforto? É o local onde nós não precisamos nenhuma ação… É onde ficamos em “modo de espera”. O Senhor quer nos colocar em um lugar de movimento.

Sair da zona de conforto dói, é desconfortável… É como dar à luz. Maria passou por uma série de situações complicadas para gerar o Messias… Mas o propósito não se comparava às dores de parto e ao preconceito que ela enfrentou.

Os nossos sofrimentos nunca serão maiores do que as conquistas que o Senhor nos dará! Nunca, as sementes serão maiores que os frutos que elas vão gerar.

Quando você assiste o filme “A Paixão de Cristo”, você tem um pouco da noção de todo o sofrimento que Jesus Cristo enfrentou naquela cruz… Eu nunca chorei tanto assistindo um filme… Porque Ele não merecia passar por nada daquilo… O amor d’Ele por nós é imensurável, é ilimitado.

Aquele sofrimento todo não se comparou ao propósito que Ele tinha: salvar toda humanidade!

Há momentos em nossas vidas em que nós passaremos por grandes dores, mas elas nos levarão para grandes propósitos. O que não podemos é nos perder no sofrimento. Por isso que precisamos sempre voltar ao nosso local de origem! Precisamos sempre buscar um renovo em Deus!

Precisamos entender que nada vem “contra nós”, mas “para nós”. Nada acontece para a nossa destruição, mas para a nossa evolução!

Romanos 8.28: “Sabemos que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito.”

Saber que tudo tem um propósito já é um bom motivo para você não desistir…

Eu só descubro que a vontade de Deus é boa, perfeita e agradável quando eu sou obediente! Obediência é assim: Manda quem pode, obedece quem tem juízo! A obediência nos conserva!

Eu sempre perguntava: “Mãe, para onde estamos indo?”. E ela dizia: “Importa? Você terá de ir do mesmo jeito! Bora!”. É isso… Sem questionamentos…

E quando Deus faz isso com a gente? E quando a gente precisa, sem garantias de nada, obedecer? Rute voltou para Belém sem garantias de nada! Sem saber onde ia morar, se iria conhecer alguém…

Mas, pare e pense: Como Deus vai planejar a vida de quem já tem tudo planejado? Que espaços Ele terá para agir? Ele tem muito mais para a gente! Muitas vezes, para vivermos a vontade d’Ele, precisamos abrir mão das nossas!

3- Superar o luto

O luto, de acordo com a psicologia, é marcado por algumas fases: negação, revolta, barganha, aceitação e superação – quando estamos abertos para isso. Existem pessoas que permanecem anos na fase da negação, na fase da revolta…

Eu, por exemplo, perdi um irmão… E passei pelas fases do luto!

O luto não envolve só uma situação de morte física… De repente, podem ser áreas de nossas vidas que, simplesmente, não engatam…

Por exemplo, o sonho da sua vida era trabalhar em determinada multinacional. Você construiu sua vida inteira com base neste ideal. Investiu tempo e dinheiro. De repente, você consegue, mas se depara com terríveis surpresas: “Não foi como eu imaginei!”.

Ou, de repente, você “falhou” na educação dos seus filhos!  Você os formou para um determinado fim e não foi correspondida… Ou eles fizeram escolhas que você não concorda…

Talvez, seja uma traição… Uma amiga muito querida que, simplesmente, virou as costas…

Talvez, seja um divórcio… O divórcio também envolve um processo de luto… Aquela pessoa com quem você dividiu seus sonhos, simplesmente, deixa de fazer parte da sua vida.  Deixa de existir para você. Você fica viúva de um marido vivo!

Enfrentar aquela dor era necessário para que Rute vivesse os propósitos que o Senhor tinha para ela!

Eu aprendi com minha mãe que a ressurreição é para quem fica! Precisamos aceitar essas situações, encará-las e fazer de tudo para ressurgir das cinzas! Você tem dois caminhos: sofrer ou superar! Rute escolheu superar! Ela perdeu o marido, mas não deixou e acreditar que Deus poderia dar para ela uma família!

Precisamos fazer do deserto uma passagem, não o nosso funeral! Precisamos passar por ele de cabeça erguida, sem a capa do vitimismo… Você não é vítima, você é vencedor!

Minha mãe sempre diz que quem procura culpados não encontra solução! A solução não está no passado, mas em você fazer uma aliança com o hoje e com o amanhã!

Terceirizar a culpa não ajuda! Assuma a responsabilidade de suas escolhas e as rédeas da sua vida!

Por exemplo, existem pessoas que casam na igreja e por que o casamento não deu certo, culpam o pastor, a instituição, Deus… Um casamento envolve escolhas diárias… E isso é responsabilidade dos dois…

Nosso papel, como igreja, é abençoar, cobrir de oração e direcionar. Nós não escolhemos marido e esposa para ninguém…

Nós abençoamos a relação, mas a responsabilidade de fazer dar certo é do casal.

Vamos supor que eu recebi uma bênção! O que eu vou fazer com ela? Eu recebi a salvação, o que eu vou fazer com ela? Salvar outras vidas? Guardá-la só para mim? Rejeitar?

Nós não temos controle sobre o que acontece, mas podemos controlar o que vamos fazer com o que nos aconteceu. Você pode, nesse cenário, assumir o papel da vítima, da que sofreu, da que perdeu, da que não tem… Mas eu te garanto que, assim, você nunca encontrará um caminho de vitória! Eu prefiro assumir o papel daquela que supera!

Quanto mais tempo você insistir em permanecer neste ambiente de dor, mais doente você ficará! Por isso, reaja!

Vou compartilhar uma experiência pessoal. Eu, grávida do meu 4º filho, me encontrei com uma moça que teve apenas um filho e demorou mais de dez anos para conceber. Estávamos entre amigas. E essa moça é “sem filtros”, fala tudo o que pensa. E eu me divirto com ela.

Ela, simplesmente, virou para mim e disse: “Um filho para mim já é o suficiente, não sei como você aguenta. Eu não teria outro de jeito nenhum!”. Aí, eu expliquei que eu acho importante meus filhos terem companhias, que eu sempre fui muito amiga dos meus irmãos. Que eu não quero que o Noah cresça sem saber dividir…

E ela retrucava: “Deus me livre! Prefiro manter distância da minha irmã. Ela só aparece para pedir favores ou para me criticar! Se eu não a tivesse na minha vida, seria muito mais feliz! Dividir tudo com ela sempre foi uma tortura!”.

Passaram uns três dias, e ela veio me procurar: “Fê, você não vai acreditar! Estou grávida de novo!”. Eu ri tanto… Mas, sabe, eu percebi que aquele era o caminho de volta à essência dela. Ela terá que resolver muitas questões que ficaram pendentes no relacionamento com a irmã.

Aquilo fez parte do plano de Deus! Ela foi estéril a vida toda… Conseguiu engravidar fazendo um tratamento. E, agora, engravida naturalmente? Não tem como dizer que o Senhor não está nisso! E eu disse isso para ela: “Não tenha medo! Essa vida que está dentro de você foi desejada por Deus! Será uma grande cura para todos!”.

Precisamos ter consciência de que Deus permite que passemos por determinadas situações para nos tratar.

Naquela jornada de 80 km, Rute e Noemi não tinham mais ninguém. Naquele momento, eram elas e Deus!

Entre a semeadura e a colheita, existe um processo. Precisamos ter consciência de que nem tudo sairá do jeito que planejamos!

Precisei passar por isso? Sim! Vou ficar no ambiente da dor e do sofrimento ou vou superar e correr atrás do “sim” de Deus?

Faça deste limão uma limonada! As maiores soluções tecnológicas surgiram em momentos extrema crise!

Vocês sabiam que Israel é um dos maiores centros tecnológicos do mundo? Mesmo com o clima desfavorável, não falta água, sabe por quê? Por que eles buscaram soluções para seus problemas, em vez de se contentarem com justificativas. Eles criaram o processo de dessalinização, que consiste em transformar a água do mar em água potável!

4- Saber se colocar debaixo do sobrenatural de Deus e confiar

A nossa parte é caminhar, obedecer, e a parte d’Ele: abrir caminhos!

Rute e Noemi voltaram para Belém, venceram o luto, enfrentaram a miséria, o preconceito, as incertezas…

Precisamos ter consciência de que o sobrenatural de Deus está nos pequenos começos! Rute era uma mulher viúva e estrangeira. Teve que, literalmente, recomeçar… Mas do zero. Além disso, ela sustentava Noemi.

Elas viviam das espigas que sobravam das colheitas de grandes fazendeiros. Rute recomeçou sem garantias… Mal sabendo que sua determinação e lealdade a colocariam na rota de Boaz – seu resgatador.

Precisamos aprender a celebrar as pequenas vitórias diárias. É como ocorre com as pessoas que estão no processo de libertação de algum vício. Cada dia sem já uma grande vitória! E aquela vitória diária passa a se tornar um hábito, e aquele hábito um novo estilo de vida!

Eu imagino que, nesta jornada exaustiva e incerta, Rute teve dias difíceis, mas ela sabia que desistir já não era mais uma opção. Nem sempre, vamos conseguir prosseguir com um sorriso nos lábios ou sem desfalecer … Mas pior do que cair é ficar prostrado

Provérbios 24.16: “…porque sete vezes cairá o justo e se levantará; mas os perversos são derribados pela calamidade.”

Salmos 37.23 e 24: “O SENHOR firma os passos do homem bom e no seu caminho se compraz; se cair, não ficará prostrado, porque o SENHOR o segura pela mão.”

Fracassado não é aquele que perde, mas que desiste!

Muitas pessoas acham que Rute foi sortuda! Mas, na verdade o caminho dela foi marcado por uma série de atitudes assertivas! Ela estava aberta e preparada para ser restituída.

Aquela longa jornada a levou para a graça de Deus!

O maior impressionante é que é perceptível que o que mais encantou Boaz não foi a aparência de Rute… Boaz se apaixonou pelas atitudes dela! Nossas atitudes nos diferenciam e nos definem!

Por que, muitas vezes, algumas pessoas são mais abençoadas que outras? Você não sabe ,mas, talvez, porque tenham atitudes muito mais nobres!

Resumindo, na nossa caminhada, precisamos saber qual é o nosso objetivo final! Qual é o propósito! Tem que ter um muito maior! E este propósito sempre apontará para Jesus Cristo!

Precisamos aprender a nos enxergar através dos olhos de Deus. Ele não tem para nós uma tragédia, mas uma linda trajetória…

Jeremias 29.11: “Eu é que sei que pensamentos tenho a vosso respeito, diz o SENHOR; pensamentos de paz e não de mal, para vos dar o fim que desejais.”

Ele quer enxugar nossas lágrimas com milagres, transformar nosso luto em alegria, nossa dor em cura, nossas derrotas em vitórias e nosso sofrimento em superação!

O botão do “restart” para mim é o mais importante neste processo. Basta para cada dia o seu mal (Mateus 6).

O Senhor já colocou esse descanso no nosso ciclo natural! O problema é que não buscamos meios de viver isso emocionalmente. Qual é a resultante disso? A autossabotagem! As piores decisões são as emocionais. De repente, todos os dias acabam se tornando noites!

Eu sempre encerro os meus dias fazendo um balanço e agradecendo, até pelas situações difíceis, porque, em todas elas, o Senhor estava ao meu lado. Eu sempre procuro me renovar n’Ele! Cada dia é um ciclo que se encerra. E eu procuro encerrá-los da melhor maneira possíveis!

Existem dias ensolarados, mas existem dias chuvosos. Para mim, os dias em que eu comemoraria o aniversário do Tid, meu irmão, são muito tristes. Mas esses dias chegam ao fim… Eu procuro sempre terminá-los agradecendo por Deus ter me dado um irmão como ele.

Quando eu tenho dias difíceis, eu penso: “Só foi um dia ruim. Amanhã será melhor!”. O problema é quando acumulamos lixo emocional desses dias de tempestade.

Precisamos ser como Paulo:

Filipenses 3.13 e 14: “…esquecendo-me das coisas que para trás ficam e avançando para as que diante de mim estão. Prossigo para o alvo, para o prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus.”

Às vezes, a vida nos “presenteia” com um pacotão de problemas! Qual é a melhor escolha? resolver um pouquinho todos os dias, sempre sendo fiéis às nossas convicções!

Você pode começar o dia: “Deus, eu só tenho isso!”. Nas mãos do Senhor, o pouco vira muito! Busque sabedoria para você viver cada dia da melhor maneira possível. Não fique pensando no que te falta, seja grato pelo que você tem…

Não fique pensando nas pessoas que foram embora… Valorize as que permaneceram! Não alimente mais o que pode te destruir.

Minha mãe dizia: “Eu só posso ser feliz se tiver o meu filho!”. Enquanto aquela era a verdade dela, ela conseguia ser feliz? De jeito nenhum! Quando ela decidiu fazer uma aliança com a vida e aceitar viver os propósitos de Deus, tudo mudou!

Rute escolheu ser feliz, apesar de… A disposição interior dela mudou não só rumo da história dela, mas da história de Noemi.

Apocalipse 2.10: “…Sê fiel até à morte, e dar-te-ei a coroa da vida.”

Gálatas 5.22: “Mas o fruto do Espírito é: amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão, domínio próprio. Contra estas coisas não há lei”

O amor e o domínio próprio são o recipiente de todos os outros! Só são gerados pelo amor e só permanecem por causa do domínio próprio! Mas vale destacar que, sem o Espírito Santo, sempre geraremos os frutos da carne! E o que nos move carnalmente? A necessidade, a carência… Interesses temporários!

Não podemos nos relacionar por conveniência, mas por convicção! Por isso, não deixe de caminhar… Não deixe de crer… O seu dia chegará!

Essa é a mensagem que eu gostaria de deixar no coração de vocês, por meio deste estudo!

You Might Also Like