Siga-me

Navegue por categoria

Últimos posts

SENTIMENTOS TÓXICOS: COMO IDENTIFICÁ-LOS E VENCÊ-LOS

O que é estar intoxicado? É o excesso de algo dentro de um ambiente. Até a água em excesso no nosso organismo pode trazer danos.

Gerar um ambiente tóxico tornou-se uma estratégia adotada em campos de guerra.

Uma pesquisa divulgada pela Universidade de Chicago revelou que 50% do nosso estado de felicidade estão relacionados à nossa genética. Para mim, é algo espiritual. Por isso que ninguém sabe explicar. Somente 10%, segundo o estudo, correspondem aos ambientes externos: finanças, saúde, família, trabalho, ministério… Os outros 40% são produzidos pelo nosso ambiente interno.

Às vezes, sem perceber, tornamo-nos os nossos piores inimigos. Isso pode ser classificado como “autosabotagem”. Como isso ocorre? Quando insistimos em manter relacionamentos tóxicos, em nos alimentarmos do que só traz contaminação para o nosso corpo…

Todos nós podemos desenvolver vícios…  Mas sabe qual é o pior que existe? Os problemas! Sem perceber, vivemos em função deles! Os problemas são a raiz… Na verdade, a maneira como escolhemos lidar com eles!

Vou dar um exemplo… Existem pessoas que tiveram uma infância traumatizante, um péssimo relacionamento com os pais e descontam suas frustrações nas drogas! É uma tentativa de fugir, ainda que seja por alguns minutos, da realidade que elas não conseguem encarar!

A maioria dos nossos sentimentos tóxicos tem como origem traumas que vivemos no passado.

Como podemos, então, livrar-nos de algo que não está mais no nosso controle?

Precisamos entender, em primeiro lugar, do que nós somos formados. Nós somos corpo, alma (junção do nosso consciente com o nosso inconsciente, reações químicas e sentimentos) e espírito.

Para eu me desintoxicar, eu preciso, em primeiro lugar, saber identificar quais sentimentos que brotaram dentro de mim são tóxicos!

Salmos 141.8: “Pois em ti, SENHOR Deus, estão fitos os meus olhos: em ti confio; não desampares a minha alma.”

O que o salmista quis dizer? Que nós precisamos de ajuda! Precisamos entender que determinados padrões de comportamento precisam ser mudados… Precisamos ser humildades para reconhecer e expor nossas fraquezas.

Existem pessoas que alimentam as frustrações do passado… Elas ficam remontando o que sentiram… Sem perceber, ficam encarceradas e não conseguem se abrir para o novo tempo que o Senhor tem para elas.

O ser humano tem uma capacidade impressionante de criar e de se transportar emocionalmente para os ambientes que só trouxeram dor e destruição, ou, de repente, para ambientes que nem chegamos a frequentar.

Por exemplo, se eu começar a descrever como é o meu quarto, você é capaz de criar as imagens na sua mente e fazer essa viagem comigo… Da mesma maneira, ocorre com os nossos problemas. A escolha é nossa: alimentar os nossos medos ou a nossa fé!

Lamentações 3.21: “Quero trazer à memória o que me pode dar esperança.”

Muitas vezes, nossos pensamentos são incontroláveis. Às vezes, você está em casa, tomando chá e, de repente, eles vêm como um turbilhão para te desestruturar.

Minha mãe sempre diz: “Fê, não é todo o pensamento que vem à nossa mente que nós precisamos pensar e alimentar! Da mesma forma, ocorre com os nossos sentimentos”. Precisamos ter um filtro… Nós podemos desenvolver uma gestão mental e emocional.

Os nossos sentimentos e os nosso intelecto nos diferencia dos outros animais. Por isso, não podemos nos sentir obrigados a nos submeter às nossas crenças limitantes. Em vez disso, podemos fundamentar nossas vidas em crenças libertadoras!

Precisamos identificar quais são nossas fraquezas e buscar ajuda!

Por exemplo, se você, muitas vezes, sente-se triste, rejeitada, abandonada, injustiçada, fracassada… além de pedir apoio, é necessário você buscar métodos para transformar suas fraquezas em fortalezas.

Um bom exercício é colocar no papel cinco sentimentos ruins que você desenvolveu hoje! Por exemplo: “Eu me senti incapaz”; “Eu me senti impotente!”; “Eu tive medo”; “Eu me senti abandonada”… Esses sentimentos, além de intensos, geram registros – negativos ou positivos.

A maioria das pessoas é negativista! Os registros negativos são classificados pela psicologia como “traumas”. Mas qual é a definição que eles dão para os registros positivos? Até hoje, não encontrei!

O problema é que nós colocamos o foco nestas situações de frustrações do passado. De repente, você começa a ter os mesmos sentimentos de quando sofreu o trauma, por exemplo.

Para você se desintoxicar emocionalmente, é necessário:

1- Reconhecer que você precisa de ajuda e procurá-la

2- Ter consciência do que você está enfrentando (nomeie)

Por exemplo: “Eu sou mandona!”; “Eu sou ciumenta!”; “Eu sou fofoqueira!”; “Eu sou medrosa!”; “Eu sou arrogante!”; “Eu sou mandona!”…

Enquanto não admitirmos que temos esses sentimentos, enquanto não tivermos aquele choque de realidade, enquanto não cair a ficha, nunca seremos curados!

Agora que você já identificou, o que você vai fazer? Martirizar-se, sentir-se culpado? Claro que não… Identificar é o ponto de partida para a libertação…

Eu sou desse jeito? Eu tenho agido dessa forma? Como posso, então, fazer desse limão uma limonada? Como faço para transformar minhas fraquezas em fortalezas?

Eu, por exemplo, era muito ciumenta, e eu percebi que a raiz disso era uma grande insegurança que possuía. Então, comecei a buscar estratégias para me tornar mais segura, mais confiante… Fui desenvolvendo mecanismos para isso! Hoje, graças a Deus, consigo dosar… Eu tenho ciúmes, mas não é nada doentio… Nada que me tire do eixo…

Como fui liberta? Identificando este sentimento tóxico…

Hoje, abrindo esta séria, eu quero falar sobre a tristeza!

Como vamos nos desintoxicar dela? Entendendo a nossa formação. Somos corpo, alma e espírito. Para o nosso corpo funcionar, precisamos de água e comida… Da mesma forma, nossa alma também precisa ser alimentada ou ter algumas restrições…

Se o meu ambiente interno está viciado em tristeza, eu preciso identificar quais situações, quais companhias e quais pensamentos que alimentam este sentimento para saber gerenciá-los, a tal ponto que eles não me afetem mais…

Quando alguns relacionamentos afloram isso, o que acontece? Um acaba alimentando a deformação do outro. Por que isso acontece? Porque ficamos viciados nesta emoção. Sentir tristeza é normal, mas não pode virar uma rotina.

Muitas vezes, em vez de lutar para vencê-lo, nós o alimentamos com justificativas: “Eu sinto isso, porque minha infância…”; “Eu nunca mais fui feliz depois que…”…

Muitas pessoas divorciadas acabam destruindo o segundo relacionamento, porque sempre repetem os mesmos padrões de comportamento, porque ficam viciados nesses sentimentos tóxicos… Não adianta ter um novo relacionamento, continuando com os mesmos hábitos.

Existem mulheres que adoram provocar porque estão feridas… E isso só gera mais dor… Em vez de atrair, você afasta as pessoas de você… Precisamos entender que nossas atitudes estão mais ligadas às nossas emoções do que aos estímulos externos.

Pessoas que são feridas ferem! Por que precisa ser assim? Isso é um ciclo vicioso que só traz dor e sofrimento. Em vez disso, seja a companhia que você gostaria de ter… O que Jesus nos ensinou? Que, quando alguém bater em nossa face, devemos oferecer a outra, em vez de revidar!

Eu sou a irmã mais nova, né? E o Tid sempre me zoava? Toda vez que ele me irritava, eu procurava minha mãe…

Um dia, estávamos brincando na varanda e minha mãe disse: “Afaste-se dele… Você viu que, quanto maior a distância, mas ele fica pequeno, a ponto de você tampá-lo com a mão? Então, Fê o tamanho dos nossos problemas é definido pelo quanto queremos conviver com eles, está intimamente ligado ao nível de importância que nós damos… Os grandes sempre têm algo para oferecer. Mas existem pessoas que são tão deficientes em suas emoções, que não têm nada de bom para compartilhar!”.

A melhor opção é sempre, sempre, sempre, vencer o mal com o bem! Desta forma, você despertará o melhor da outra pessoa.

O dia em que eu entendi que a origem daquele ciúme não estava no meu marido, mas em mim, a nossa relação ficou muito melhor! Porque o meu ciúme o deixava nervoso… E eu pensava: “Se ele me ama, precisa me aceitar assim. Amor é aceitação!”.

O dia em que eu entendi que ninguém é obrigado a conviver com nossas piores versões, eu mudei…

Eu queria atingir resultados diferentes, adotando as mesmas práticas… O dia em que eu comecei a ter reações diferentes… ele até estranhou… Na primeira, fica aquela surpresa… Na segunda, fica ainda aquela desconfiança. Na terceira, tudo começa a fluir melhor. Vira um hábito…

Eu aprendi muito com meu esposo… Muitas vezes, eu tinha reações ruins e ele, com muita paciência, conversava comigo e me mostrava que eu só estava me ferindo agindo daquela forma. A bondade dele me transformou. Se ele pagasse com a mesma moeda, isso poderia acarretar em uma grande crise.

3- Precisamos aprender a selecionar nossos relacionamentos

Faça uma analise: O que tal pessoa desperta em você? Qual é o fruto deste relacionamento… Quando estou com ela, sinto-me motivada, alegre, confiante? Ela me inspira e desperta a minha melhor versão?

É claro que relacionamento envolve doação. Talvez, emocionalmente falando, ela não tenha nada para oferecer… Ela me faz bem porque eu posso ajudá-la, ensiná-la, consolá-la… Praticar o bem me deixa melhor…

Agora, quando eu estou em um relacionamento que me deixa desconfortável, com baixa autoestima, sentindo-me inferiorizada, sentindo-me subjugada, certamente, ele é tóxico!

Como eu faço para dar um fim nisso? Como eu escrevi acima: pagando o mal com o bem.

Romanos 12.21: “Não se deixe vencer pelo mal, mas vençam o mal com o bem!”.

Aparentemente, você está perdendo… Mas, com essa escolha saiba, você está pavimentando um caminho de paz, e paz não tem preço…

Agora, como deixar de ser viciado em problemas?

4- Aprenda a gerenciar os seus pensamentos

Pensamentos são involuntários, mas podemos escolher se eles serão descartados ou se transformarão em sentimentos e, consequentemente, em atitudes…

Certo dia, eu aconselhei uma moça que sofreu abusos na infância. Ela não conseguia ter uma vida sexual saudável com o marido. Ela disse: “Bispa, todas as vezes em que estamos juntos, vem à lembrança os abusos que sofri… De repente, eu travo!”.

Ela sofreu aquela violência aos quatro anos de idade. Hoje, ela tem 35… Todas as vezes que alimentamos estes pensamentos, voltamos a sentir da mesma maneira em que sentimos naquele dia…

Como faço para controlar esses pensamentos?

Orando: “Senhor liberta-me desta dor!”

Por que este pensamento é viciante? Porque você não superou… E, enquanto você não se abrir para curar essas feridas, ela sempre estarão lá… Você foi sequestrada e está presa em um cárcere emocional.

Como ocorre este sequestro emocional? Quando estamos bem, está tudo em ordem e, de repente, algum comentário, algum aroma, alguma música, ou seja, situações simples fazem com que aquela dor se manifeste. É uma questão de segundos mesmo…

5- Pratique o perdão

Como ser curado definitivamente? Tendo consciência de que o perdão faz parte deste processo de libertação.

Você precisa se perdoar! Eu aprendi que podemos ser a nossa melhor versão. Estamos em fase de evolução… Se erramos, foi sinal de que, naquele momento, achamos que agir daquela maneira era melhor… Hoje, diante das mesmas situações, agimos diferente porque amadurecemos…

Não encare seus erros como uma desgraça, como o fim da linha. Podemos transformar nossos erros em grandes aprendizados… É como uma criança que está aprendendo a andar! Meu filho, Noah, demorou mais para dar seus primeiros passos. Ele se arrastava, virava de um lado para o outro… Ele caiu várias vezes, enquanto tentava se equilibrar… Mas, hoje, ele corre!

Continuar tentando faz com que você supere! Fracassado não é aquele que perde uma batalha, mas aquele que abandona a guerra!

Precisamos identificar qual é o problema que gerou este sentimento, procurar soluções para ele e vamos finalizar este processo de cicatrização com o perdão!

Precisamos também perdoar quem nos fez mal! Pode parecer um absurdo eu falar para aquela moça perdoar o rapaz que a abusou. Mas precisamos entender que o perdão não é um selo de aprovação, não invalida as consequências que aquela pessoa viverá… A lei da semeadura está aí, e ajustiça de Deus também… Perdoar te libertará definitivamente desta dor… Quando você não perdoa, o prisioneiro é você!

Todas as vezes em que eu coloco minha mão em uma situação, para fazer justiça – ou me vingar –, Deus tira a d’Ele!

Passei por varias situações em que eu poderia ter feito justiça com minhas próprias mãos, mas eu as entreguei par Ele: “Senhor, eu quero a tua justiça!”. Justifica-me! Eu sempre digo para meus filhos: “Não procurem justiça na vida, busque-a em Deus!”.

Estabelecendo este vínculo de confiança, você acaba entrando no descanso d’Ele!

Praticar o perdão é fundamental para que você saia da zona de alcance daquele que te fez tanto mal…

6- Tenha bom ânimo

A mente é o nosso campo de batalha… De repente, vem aquele ataque do inferno! Se você não tem defesas para estes pensamentos, se as feridas ainda estão abertas, eles vagam por essas brechas até chegar ao seu coração!

Como os sentimentos são ativados: pelos nossos pensamentos! Não podemos subestimar o poder dos nossos pensamentos!

O grande problema é que as pessoas encaram o perdão como um sentimento! Mas não é, é uma atitude consciente, é uma escolha: “Eu vou perdoar não porque a pessoa merece, não porque acho merecedora do que passei, mas porque eu quero me libertar dessa dor que me deixa sem forças todos os dias…”.

Tem um livro da Joyce Meyer que eu adoro! Chama-se “Mentes Tranquilas, Almas Felizes”. Foi muito importante para meu processo de libertação. Eu fui traída por uma amiga e não conseguia perdoá-la. Eu queria muito não sentir aquela dor… Mas não conseguia. O que eu fiz? Busquei forças em Deus! Fiz um jejum com estes propósitos.

Romanos 12. 18: “Se possível, quando depender de vós, tende paz com todos…”

Se o outro insiste em permanecer atormentado, paciência… Mas a sua parte você precisa fazer…

Às vezes, as pessoas demoram para cair em si, porque vivem em ambientes tóxicos. Não conseguem mais distinguir a diferença entre o bem e o mal.

Existem pessoas que só percebem que estão com roupas sujas quando as colocam perto de roupas limpas!

Só quando a gente compra uma tampa de tábua de passar nova, nos damos conta do quanto a outra estava arrebentada!

Como não ser contaminado pelos ambientes externos? Fortalecendo nossos ambientes internos! Pessoas que não controlam seus pensamentos acabam se tornando escravas dos seus sentimentos!

Então, veio aquela afrontam e você explode… Veio aquela vontade de comer, e você acaba com o estoque do mês… Veio aquela vontade de gastar, e você se afunda em dívidas…

Quando perdemos o controle de nossas emoções, perdemos o controle das situações!

Sabe… Não existe maior satisfação do que vencer uma tentação! Não existe maior satisfação do que vencer o mal com o bem! De repente, tudo isso vira um hábito… Você substitui aquele vício destruidor por um hábito que só vai trazer saúde para sua alma!

Existem tantas pessoas em nossa volta que precisam de nossa ajuda… Uma palavra, um sorriso, um abraço podem transformar a vida delas… Quando a gente pratica o bem, essas pessoas o recebem o multiplica também!

Eu tinha uma amiga muito querida. Mas minha mãe sempre dizia: “Fê, eu sei que você gosta muito dela, mas essa amizade não te faz bem!”. Por quê? Porque ela tinha uma inveja dominadora! Ela não conseguia me ver evoluindo em nada… Para agradá-la, eu fazia tudo por ela. Eu me anulava demais… Isso não é saudável!

O dia em que eu consegui discernir o que minha mãe sentiu, eu, obviamente, não a tirei a minha vida… Jamais faria isso… Mas diminui a intensidade daquela amizade! Esse “afastamento” foi importante para a minha saúde emocional e acredito que para a dela também!

Precisamos ter filtros: Quando estou perto de fulana, o que ela desperta em mim? Inveja? Competitividade? Dúvidas? Ela vibra com minhas conquistas?

Existem pessoas que acabam agindo de forma incorreta porque só têm isso para oferecer, não receberam algo bom de ninguém.

Eu, graças a Deus, tive um lar estruturado. Mas muitas pessoas não tiveram isso… Precisamos ser mais misericordiosos…

Sabe onde eu me sinto bem? No lugar onde eu vejo as pessoas crescendo, se desenvolvendo, conquistando, progredindo, superando… Isso faz parte da nossa construção também.

Quero finalizar esta aula, com este recado! A melhor forma de vencer sentimentos tóxicos, é cultivando bons sentimentos e exalá-los.

You Might Also Like